sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Minhas Aventuras na World RPG Fest 2016

Nos dias 17 e 18 deste mês (final de semana retrasado) rolou o World RPG Fest 2016, e eu estive por lá durante os 2 dias de evento.

O evento este ano foi bem compartimentalizado, isso é, as atividades estavam bem separadas em salas distintas. Isso dava a impressão de um espaço mais esvaziado, porque não se via as pessoas que participavam de atividades nas outras salas, mas de fato foi uma boa escolha: praticamente não houve problemas de uma mesa ou atividade atrapalhar a outra devido a barulhos e afins.

Mas, apesar de ter visitado quase todos os locais para dar uma olhada rápida, este ano eu participei de muito pouca coisa. Na verdade, de apenas 2 mesas e mais nada.

No sábado eu joguei o Torneio do Nono Mundo, uma aventura com múltiplas mesas de Numenera bancada pela New Order. Foi a primeira vez que eu joguei Numenera, e eu gostei bastante (apesar de que notei que eu ficaria meio frustrado mestrando Numenera - onde já se viu não rolar nenhum dado!).

 Meu personagem no Torneio do Nono Mundo.

A aventura era bastante interessante e divertida, mas eu tenho uma crítica a fazer em respeito ao Torneio do Nono Mundo: ele demorou demais. A aventura já começou atrasada, e acabou já bem próxima do encerramento do primeiro dia de evento. O resultado foi que não consegui participar de mais nada naquele dia - nenhuma palestra, nenhuma outra mesa de RPG ou mesmo boardgame. Se forem repetir a fórmula para o ano que vem, sugiro encurtarem o torneio, para não prender os participantes o dia todo em uma só atividade.

Já no domingo participei de uma mesa de Shadow of the Demon Lord, um jogo de dark fantasy baseado no sistema do D&D 5ªed, mas com alterações profundas.

Jogando Shadow of the Demon Lord.

Me surpreendi positivamente com o jogo, que confesso não esperava muito. As alterações do sistema em relação à atual edição do D&D aparentemente fazem o jogo funcionar muito bem para a premissa à qual se propõe. Infelizmente não pude ficar até o fim da sessão porque meu grupo de jogo não quis ir ao evento e eu ainda tinha uma aventura para mestrar para eles naquele dia (pois é, precisei sair mais cedo de um evento de RPG para ir jogar RPG).

Aquele momento em que você se vê sentado na mesma mesa em que um gorila e um cavalo...

Apesar de tudo, mesmo não conseguindo participar de muita coisa, ainda assim fui capaz de visitar todos os estandes das lojas e editoras, e através de conversas com uns e outros (algumas dias depois do evento) ficar à par de diversos lançamentos, como o livro básico de Dragon Age RPG pela Jambô, Shadow of the Demon Lord, Deloyal e Mutant Year Zero pela Pensamento Coletivo, e as nova edições de Rastro de Cthulhu, do livro básico de Savage Worlds, e Terra Devastada, Castelo Falkenstein, além de uma dúzia de suplementos de cenário para Savage Worlds e diversos party games pela Retropunk, Shadowrun pela New Order, e claro, a volta da revista Dragão Brasil (ainda que em um modelo um pouco diferente).

Um encontro de Igores!
(com meu xará Igor Moreno, autor de jogos como Space Dragon, Chopstick e BIRL!)

Também foi possível reencontrar vários amigos e conhecer pessoas novas, alguns dos quais dificilmente consigo ver fora do evento. E acabei recebendo dois projetos pessoais de amigos para avaliar e dar opiniões - o que só reforça o quanto a produção de RPGs está aquecida no Brasil.

Curiosamente, este ano também não comprei nada que não fosse de comer no evento. Acho que foi a primeira vez que saí do evento sem comprar nada. Mas isso não significa que não trouxe nada de volta comigo (aguardem uma próxima postagem a este respeito!).

Em uma avaliação final, mesmo com minha participação reduzida, o evento deste ano foi muito legal. Bem organizado, bem estruturado, cheio de novidades e com boas oportunidades de conhecer jogos novos. Já estou aguardando pelo evento do ano que vem!

terça-feira, 27 de setembro de 2016

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

O Ídolo da Semana

No ídolo desta semana, um pouco da boa e velha heresia:

"Judas! Você encontrou 30 peças de prata."

O ídolo? Está lá, no escudo do Mestre.

p.s.: Espero que todos sejam capazes de entender que isso é apenas uma piada e não tem a intenção de ofender o credo de ninguém.

domingo, 25 de setembro de 2016

O Novo Ranger do D&D 5ªed

Dentre todas as classes da atual edição do D&D a mais criticada pelos jogadores é sem dúvida o ranger. Entre as diversas críticas estão coisas como o ranger não ter nenhuma habilidade que alguma outra classe não faça melhor, as habilidades de combate não escalonarem muito bem com a progressão de nível, e algumas das habilidades simplesmente não terem função prática alguma.

Não é a primeira vez que isso acontece. De fato, no D&D 3.5 uma das classes que mais mudou em relação ao D&D 3.0 foi o ranger - devido ao fato de que o ranger do 3.0 era muito ruim e sem graça em comparação com as outras classes do jogo. Começo a crer que ninguém na Wizards of the Coast gosta muito da classe ranger...

É verdade que muitas das reclamações dos jogadores tem a ver com "poder" puro e simples: a concepção de que mecanicamente o ranger é inferior às demais classes em combate. Eu não acho isso uma razão válida para descartar a classe como ruim se ela fizer o que se propõe. O problema é que o ranger do D&D 5ªed é realmente uma classe mal construída.

Vejamos por exemplo uma habilidade chamada Primeval Awareness, que a classe ganha no 3º nível: ela permite que, ao gastar um slot de magia, o ranger consiga pressentir a presença de criaturas dos tipos elemental, aberração, celestial, dragão, fada, demônio ou morto-vivo em um raio de 1.600 metros, sem no entanto conseguir discernir sua localização ou número. Ou seja, o ranger gasta uma magia para poder dizer "Companheiros, fiquem alertas: há um ou infinitos mortos-vivos em qualquer direção daqui a até 1km e meio de distância!". Sério, isso é uma habilidade completamente inútil.

Bom, o fato é que a WotC decidiu ouvir as críticas dos jogadores e disponibilizou uma nova versão da classe que tenta consertar os problemas apresentados na versão original. Segundo Mike Mearls, essa nova versão do ranger ainda é uma espécie de playtest e caso seja bem recebida pode vir a aparecer oficialmente em um suplemento futuro como uma opção à versão original da classe.

E aparentemente a equipe de design dessa vez acertou melhor na construção da classe. Em primeiro lugar, a habilidade Inimigo Favorecido agora confere um bônus de dano contra o tipo de criatura escolhido, como sempre foi no passado. Natural Explorer agora funciona com qualquer tipo de terreno, e não apenas no terreno favorecido (apesar de que eu faria diferente, nem 8 nem 80: ao invés de funcionar apenas em um terreno ou em todo lugar, eu permitira que o ranger escolhesse um novo tipo de terreno favorecido a cada nível ímpar, assim permitindo que o personagem fosse se familiarizando com novos habitats conforme fosse se aventurando). E ao invés de se chamar "arquétipo" (o nome mais preguiçoso que puderam encontrar), os tipos de especialização que o ranger pode escolher a partir do 3º nível agora chama-se "conclave" - muito mais adequado.

Há muitas outras mudanças, maiores e menores na classe, e uma das que eu mais gostei é que o ranger tornou-se a única classe de homem-de-armas sem receber um ataque extra no 5º nível por sua classe básica. Agora, o ataque extra é dado pela escolha do conclave - e caso você escolha o conclave das feras (focado no companheiro animal) quem ganha ataques extras é seu companheiro animal e não o ranger! Sem contar a tabela de Traits e Flaws para o animal, que é excelente.

A nova versão da classe pode ser baixada gratuitamente em PDF no site oficial do D&D, e vale à pena ser conferida.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Está no Ar a Pré-Venda de Senhores da Guerra!

Só lembrando que o Senhores da Guerra já está em pré-venda, e com 25% de desconto. Com isso o livro está saindo por R$ 29,90 na pré-venda, mas barato do que o inicialmente previsto.


Além disso, no ato da compra você já ganha o PDF para ir lendo enquanto aguarda o fim da pré-venda e a entrega dos livros físicos pela gráfica. Você pode garantir o seu exemplar na loja virtual da Redbox Editora.

E se você comprou a edição do livro vendido pela Ícaro Editora anos atrás e não recebeu, não esqueça de enviar um e-mail para redbox@redboxeditora.com.br com o assunto "Desconto Senhores da Guerra", encaminhando o comprovante de compra, para receber um desconto extra de 10%.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

O Ídolo da Semana

O ídolo da semana:

The Joy of Painting!

A imagem acima é um montagem, claro, com uma imagem de Bob Ross e do Ídolo Demônio de Trampier - uma piada com o programa do pintor.

Para quem não sabe, Bob Ross foi um famoso pintor que possuía um programa de televisão chamado The Joy of Painting, onde ele dava aulas de pintura. O mote dele era que qualquer um era capaz de pintar.

Não sei se realmente qualquer um é capaz de reproduzir o ídolo de Trampier, mas certamente temos muitas versões dele por aí!

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Mais Um Preview de Senhores da Guerra

A Redbox Editora liberou mais um preview do livro Senhores da Guerra hoje:

Clica aí que aumenta e dá pra ler!

Senhores da Guerra é um suplemento de fantasia histórica para Old Dragon, e sua pré-venda começa daqui a 2 dias, em 15 de Setembro.

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Tom DeSanto e o Gary Gygax Estate

A notícia já é meio velha, mas é sempre bom divulgar: o produtor de cinema Tom DeSanto assinou um acordo com os representantes do patrimônio de Gary Gygax para administrar o catálogo de material publicado e não-publicado do cocriador do D&D.

O anúncio deste contrato foi feito no dia 27 de Julho, data do aniversário de Gygax, e confirmado por Gail Gygax, viúva do autor e detentora dos direitos sobre seu patrimônio.

DeSanto foi produtor dos dois primeiros filmes da franquia X-Men, e de todos os filmes da franquia Transformers. De acordo com as notícias, ele haveria dito que já havia encontrado diversos potenciais projetos de "universos" entre o material não-publicado de Gygax, e que espera encontrar um "lar" para ao menos um destes projetos até o final do ano.

A parte boa é que DeSanto diz jogar RPG desde os 11 anos de idade, e participa do livro “30 Years of Adventure: A Celebration of Dungeons & Dragons”, no qual várias pessoas famosas comentam sobre sua experiência com o D&D. Talvez ele realmente seja capaz de capturar algo do espírito do trabalho de Gygax. Segundo a revista Variety, ele teria afirmado que (tradução minha):

Gary Gygax é um daqueles nomes que figura ao lado de George Lucas e Gene Roddenberry como contadores de histórias cuja influência alcançou o mundo inteiro e atravessou gerações, eu estou excitado em trabalhar com Gail e sinto-me honrado em trazer esses novos universos para uma audiência global da mesma maneira em que Gary capturou corações e mentes de todo o planeta com o ‘Dungeons & Dragons.'

Quanto a isso eu só posso concordar: Gygax está lado-a-lado com os maiores expoentes da cultura pop.

A parte ruim da história é que, apesar de num primeiro momento muita gente ter se entusiasmado com a possibilidade de vermos publicado algo do material original de Gygax que nunca viu a luz do dia, ao que parece os interesses de DeSanto são mesmo apenas com o cinema e a televisão. É muito difícil que vejamos algo novo e original de Gygax publicado no formato de RPG.

Resta ainda a dúvida de se e como a entrada de Tom DeSanto nessa história afetará o próximo filme do D&D, o qual teoricamente estaria sendo trabalhado desde 2015 pela Warner Brothers em conjunto com a Hasbro.

O Ídolo da Semana

O ídolo da semana:

A imagem é em um ângulo de visão meio ruim, mas é ele sim, confie em mim!

A imagem acima é uma tela do jogo para celular chamado Necronomicon Redux, e esse print me foi mandado pelo investigador do sobrenatural Rafael Beltrame.

Aparentemente parece que o app foi descontinuado, mas tratava-se de um card game virtual com temática dos Mythos de Cthulhu. É um jogo que se joga na modalidade solitária, isso é, o jogador joga totalmente sozinho, sem nem mesmo uma inteligência artificial contra ele, apenas contra a aleatoriedade da ordem de compra das cartas e sua própria capacidade estratégica.

Na imagem podemos ver, de um ângulo de baixo para cima, o que parecem ser as ruínas de um templo com o ídolo de Trampier lá dentro.

domingo, 11 de setembro de 2016

Dungeon Fantasy Roleplaying Game - Um Financiamento Coletivo Powered by GURPS

Apesar do subtítulo deste blog dizer "Discutindo as várias edições do Dungeons & Dragons", ele não é apenas um blog sobre o D&D e seus retroclones. Até pode ter surgido assim, mas hoje eu me dou o direito de falar sobre jogos old school em geral, mesmo que não tenham muito a ver com D&D. E eu considero GURPS um jogo bastante old school (sua primeira edição foi publicada em 1986, com raízes que alcançam bem antes disso), e que quase não sofreu mudanças ao longo do tempo. Tanto melhor se juntarmos GURPS e um boxed set para aventuras de RPG de fantasia - pouca coisa é mais old school que isso.

Assim, não há nada de errado em falar aqui sobre o Dungeon Fantasy Roleplaying Game, o novo jogo da Steve Jackson Games que se encontra neste momento em financiamento coletivo.

Mockup do boxed set e seus 5 livros.

Dungeon Fantasy Roleplaying Game é ao mesmo tempo um suplemento de GURPS e um jogo autônomo. Este boxed set utiliza as regras do GURPS 4ª edição, mas traz apenas as informações necessárias para jogos de fantasia medieval, principalmente aventuras focadas na exploração de dungeons. A parte boa é que não é necessário nada além do que vem na caixa para se jogar.

O jogo traz cinco livros que contém todas as regras de GURPS necessárias para jogos de fantasia, sem todo o resto que não é conveniente para o gênero em questão - em resumo, uma versão do GURPS enxuta e sem informações desnecessárias.

Os cinco livros, divididos desta maneira para facilitar a consulta, somam 408 páginas e são os seguintes:

Adventurers: regras para a criação de personagens. Traz 9 raças diferentes e 11 "profissões" - templates para a criação dos arquétipos mais clássicos dos RPGs de fantasia. Contém ainda regras para equipamentos, perícias e todo o resto necessário, mas sem abordar os aspectos do sistema GURPS que não são convenientes para o tipo de jogo em questão.

Exploits: as regras propriamente ditas. Inclui as regras para combate e outros testes, assim como armadilhas e demais desafios, tesouros, e várias dicas para mestres e jogadores.

Spells: contém cerca de 400 magias para serem utilizadas pelas 4 classes de conjuradores do jogo (bardos, magos, clérigos e druidas). Traz também regras completas sobre o funcionamento das magias e as diversas origens destes poderes.

Monsters: um compêndio com 80 monstros, tanto clássicos quanto originais. Todos com dicas para os jogadores de como os personagens devem lidar com as criaturas, assim como dicas para o mestre de como usar os monstros em suas venturas.

Dungeon: uma aventura pronta para já começar jogando.

Mas não é apenas isso que o boxed set contém. Além dos livros há também miniaturas de papel cartão, mapas de combate e dados. Tudo o que você precisa para jogar.

Apesar de sua versão enxuta das regras, Dungeon Fantasy Roleplaying Game é 100% compatível com a 4ª edição do GURPS, sendo uma boa opção para quem ainda não tem o módulo básico do jogo, ou tem mas não possui o GURPS Fantasy.

O boxed set está saindo por US$ 50,00 no financiamento coletivo (pelo Kickstarter, ou seja, é necessário um cartão internacional), e o projeto ainda não atingiu a meta básica de financiamento (mas falta pouco e ainda restam 18 dias, provavelmente a meta será atingida bem antes do fim). Tratando-se da Steve Jackson Games e considerando que o texto do material já está totalmente completo, não há muito riscos em relação a este projeto.

A única parte chata é que o frete para o Brasil deve sair por volta de US$ 65,00 - mais caro do que o jogo. Mas há a opção de pegar os livros apenas em PDF, o que custará  US$ 36,00 sem frete.

GURPS não é meu jogo de escolha para fantasia medieval (prefiro usar o sistema para jogar outros gêneros), mas já tive algumas boas horas de diversão jogando fantasia em Yrth (o cenário do GURPS Fantasy). Se você como eu é fã de GURPS e curte um dungeon crawl mais "realista", Dungeon Fantasy Roleplaying Game pode ser uma boa pedida para você.

sábado, 10 de setembro de 2016

D20 Forjado de Aço!

Gil Ramirez, mais conhecido como Gil The Vlogsmith, construiu um dado de 20 lados. De aço. Usando uma forja e uma bigorna.

Assistam aí:

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Senhores da Guerra: A Pré-Venda Começa em 15/09!

A Redbox Editora definiu a data da pré-venda do suplemento para Old Dragon Senhores da Guerra: de 15 a 30 de Setembro de 2016. Durante a pré-venda o livro custará R$ 39,90 - já contando com um  desconto de 10%.

Além disso, ao confirmar o pagamento o comprador já poderá acessar o PDF do livro em sua conta da loja Redbox. A previsão para o início do envio dos livros físicos é de 20 de Outubro, mas é sempre bom ter em mente que isso é apenas uma previsão - e este é um ano de eleições, o que sempre torna mais complicado confiar nas previsões das gráficas.

Os Senhores da Guerra é um aguardado suplemento que traz para Old Dragon a baixa fantasia fortemente inspirada na literatura arturiana. Histórias nos tempos medievais mais sombrios, com invasões bárbaras, batalhas sujas e sem magia de cura, impérios antigos e medo do sobrenatural.


O livro tem enfoque de ficção histórica, baseada na Britânia abandonada pelos romanos e ameaçada pelos saxões e irlandeses, e é fortemente influenciado pelas obras de Bernard Cornwell. Diversas culturas guerreiam pelas reminiscências do império e religiões antigas e novas entram em conflito. No meio disto estão os personagens dos jogadores, lutando por suas vidas, famílias, religiões, coroas e nações.

Nele você encontrará dicas e regras para a construção de campanhas de guerra de estilo cruel e visceral, com temas pessoais, dramas humanos e heroísmo trágico. Inclui mecânicas para combate em massa e paredes de escudos, novos equipamentos, novas especializações, dicas de ambientação, regras para superstições e infecção de ferimentos, e muito mais.

Escrito por Rodolfo Maximiano, este suplemento é uma nova edição pela Redbox, sem relação com a primeira versão de anos atrás. Todos os financiadores e compradores da primeira edição receberão um desconto de 10% na compra da edição da Redbox, bastando encaminhar prova de compra da editora Ícaro para o email redbox@redboxeditora.com.br com o assunto "Desconto Senhores da Guerra".

O livro físico será em tamanho A5, seguindo o padrão da linha Old Dragon, acabamento brochura, papel offset, ilustrações em preto e branco e contará com 84 páginas, das quais 11 você já pode apreciar neste preview (incluindo o índice!).

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Funky Dice Cards

Aproveitando o embalo do lançamento do jogo rápido do Dungeon Crawl Classics em português, o ilustrador Bruno Prosaiko criou e disponibilizou gratuitamente as Funky Dice Cards.

Como a maioria de vocês já sabem, ou irão descobrir tão logo baixem e leiam o jogo rápido, o DCC RPG utiliza dados bastante incomuns e relativamente raros de se encontrar por estas bandas (d3, d5, d7, d14, d16, d24, d30, além dos já costumeiros d4, d6, d8, d10, d12 e d20).

Bem, não adianta muito você baixar o jogo rápido e não ter os dados para jogar. Claro, você pode simular os dados de formas incomuns com os dados mais fáceis de encontrar (o jogo rápido até mesmo traz dicas de como fazer isso), mas talvez você não queira fazer isso devido ao trabalho extra de cálculo na hora das rolagens.

É aí que entram as Funky Dice Cards! Esse PDF gratuito traz um conjunto de cartas que podem ser utilizadas para substituir as rolagens de dados dos tipos mais incomuns (d3, d5, d7, d14, d16, d24 e d30). Cada carta traz um número correspondente a cada um dos sete tipos de dados "estranhos" do DCC RPG, é só sortear uma carta e conferir o número do dado correspondente que deveria ser rolado.

Portanto, basta baixar o arquivo gratuito, imprimir as cartas (você pode fazer isso em uma gráfica rápida,em papel de maior gramatura, se preferir), cortar as cartas (a gráfica também pode fazer isso para você), embaralhar o maço, e se divertir com o DCC RPG e suas Funky Dice Cards!

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

O Ídolo da Semana

O ídolo da semana não é apenas o ídolo, mas sim um diorama completo:

Lembra a capa de um certo livro?

A imagem acima foi retirada do tumblr Old School FRP. O diorama foi montado pelo dono do tumblr  para representar a capa do Player's Handbook do AD&D 1ªed. Claro, faltam apenas os homens-lagarto e os aventureiros.

O ídolo é uma miniatura da Otherworld Miniatures, assim como o altar. As paredes, escadas, baú e braseiros foram feitos com moldes da Hirst Arts.

E esse não lembra uma capa e uma contracapa?

A segunda imagem foi feita para representar a ilustração inteira, capa e contracapa, mas momentos antes dos aventureiros invadirem a sala e matarem os homens-lagarto.

Nesta versão, o ídolo e os homens-lagarto são da Otherworld Miniatures, paredes, escadas, baú, braseiros, porta de madeira e altar feitos com moldes da Hirst Arts, e os pilares são enfeites de bolo de casamento.

sábado, 3 de setembro de 2016

Anunciada a Data da Pré-Venda de Senhores da Guerra

Nós já sabíamos que os Senhores da Guerra estavam chegando. Agora, a Redbox Editora anunciou a data de pré-venda do suplemento Senhores da Guerra: 15 de Setembro.

Maiores informações na semana que vem!


quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Dungeon Crawl Classics RPG Fast Play e Aventura em Português

A Editora New Order disponibilizou gratuitamente em seu site o jogo rápido (também conhecido como fast play) do Dungeon Crawl Classics RPG (ou DCC RPG) em português.

O PDF de 62 páginas traz também a aventura Salada de Ratos, escrita por Rafael Balbi, e que ocupa 25 das páginas do documento.

O manual básico do DCC RPG será lançado em português no Brasil pela Editora New Order, mas ainda não há previsão de data para o lançamento. A tradução do material ficou por conta do Diogo Nogueira, conhecido do blog Pontos de Experiência, e já foi finalizada.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...