segunda-feira, 26 de setembro de 2016

O Ídolo da Semana

No ídolo desta semana, um pouco da boa e velha heresia:

"Judas! Você encontrou 30 peças de prata."

O ídolo? Está lá, no escudo do Mestre.

p.s.: Espero que todos sejam capazes de entender que isso é apenas uma piada e não tem a intenção de ofender o credo de ninguém.

domingo, 25 de setembro de 2016

O Novo Ranger do D&D 5ªed

Dentre todas as classes da atual edição do D&D a mais criticada pelos jogadores é sem dúvida o ranger. Entre as diversas críticas estão coisas como o ranger não ter nenhuma habilidade que alguma outra classe não faça melhor, as habilidades de combate não escalonarem muito bem com a progressão de nível, e algumas das habilidades simplesmente não terem função prática alguma.

Não é a primeira vez que isso acontece. De fato, no D&D 3.5 uma das classes que mais mudou em relação ao D&D 3.0 foi o ranger - devido ao fato de que o ranger do 3.0 era muito ruim e sem graça em comparação com as outras classes do jogo. Começo a crer que ninguém na Wizards of the Coast gosta muito da classe ranger...

É verdade que muitas das reclamações dos jogadores tem a ver com "poder" puro e simples: a concepção de que mecanicamente o ranger é inferior às demais classes em combate. Eu não acho isso uma razão válida para descartar a classe como ruim se ela fizer o que se propõe. O problema é que o ranger do D&D 5ªed é realmente uma classe mal construída.

Vejamos por exemplo uma habilidade chamada Primeval Awareness, que a classe ganha no 3º nível: ela permite que, ao gastar um slot de magia, o ranger consiga pressentir a presença de criaturas dos tipos elemental, aberração, celestial, dragão, fada, demônio ou morto-vivo em um raio de 1.600 metros, sem no entanto conseguir discernir sua localização ou número. Ou seja, o ranger gasta uma magia para poder dizer "Companheiros, fiquem alertas: há um ou infinitos mortos-vivos em qualquer direção daqui a até 1km e meio de distância!". Sério, isso é uma habilidade completamente inútil.

Bom, o fato é que a WotC decidiu ouvir as críticas dos jogadores e disponibilizou uma nova versão da classe que tenta consertar os problemas apresentados na versão original. Segundo Mike Mearls, essa nova versão do ranger ainda é uma espécie de playtest e caso seja bem recebida pode vir a aparecer oficialmente em um suplemento futuro como uma opção à versão original da classe.

E aparentemente a equipe de design dessa vez acertou melhor na construção da classe. Em primeiro lugar, a habilidade Inimigo Favorecido agora confere um bônus de dano contra o tipo de criatura escolhido, como sempre foi no passado. Natural Explorer agora funciona com qualquer tipo de terreno, e não apenas no terreno favorecido (apesar de que eu faria diferente, nem 8 nem 80: ao invés de funcionar apenas em um terreno ou em todo lugar, eu permitira que o ranger escolhesse um novo tipo de terreno favorecido a cada nível ímpar, assim permitindo que o personagem fosse se familiarizando com novos habitats conforme fosse se aventurando). E ao invés de se chamar "arquétipo" (o nome mais preguiçoso que puderam encontrar), os tipos de especialização que o ranger pode escolher a partir do 3º nível agora chama-se "conclave" - muito mais adequado.

Há muitas outras mudanças, maiores e menores na classe, e uma das que eu mais gostei é que o ranger tornou-se a única classe de homem-de-armas sem receber um ataque extra no 5º nível por sua classe básica. Agora, o ataque extra é dado pela escolha do conclave - e caso você escolha o conclave das feras (focado no companheiro animal) quem ganha ataques extras é seu companheiro animal e não o ranger! Sem contar a tabela de Traits e Flaws para o animal, que é excelente.

A nova versão da classe pode ser baixada gratuitamente em PDF no site oficial do D&D, e vale à pena ser conferida.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Está no Ar a Pré-Venda de Senhores da Guerra!

Só lembrando que o Senhores da Guerra já está em pré-venda, e com 25% de desconto. Com isso o livro está saindo por R$ 29,90 na pré-venda, mas barato do que o inicialmente previsto.


Além disso, no ato da compra você já ganha o PDF para ir lendo enquanto aguarda o fim da pré-venda e a entrega dos livros físicos pela gráfica. Você pode garantir o seu exemplar na loja virtual da Redbox Editora.

E se você comprou a edição do livro vendido pela Ícaro Editora anos atrás e não recebeu, não esqueça de enviar um e-mail para redbox@redboxeditora.com.br com o assunto "Desconto Senhores da Guerra", encaminhando o comprovante de compra, para receber um desconto extra de 10%.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

O Ídolo da Semana

O ídolo da semana:

The Joy of Painting!

A imagem acima é um montagem, claro, com uma imagem de Bob Ross e do Ídolo Demônio de Trampier - uma piada com o programa do pintor.

Para quem não sabe, Bob Ross foi um famoso pintor que possuía um programa de televisão chamado The Joy of Painting, onde ele dava aulas de pintura. O mote dele era que qualquer um era capaz de pintar.

Não sei se realmente qualquer um é capaz de reproduzir o ídolo de Trampier, mas certamente temos muitas versões dele por aí!

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Mais Um Preview de Senhores da Guerra

A Redbox Editora liberou mais um preview do livro Senhores da Guerra hoje:

Clica aí que aumenta e dá pra ler!

Senhores da Guerra é um suplemento de fantasia histórica para Old Dragon, e sua pré-venda começa daqui a 2 dias, em 15 de Setembro.

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Tom DeSanto e o Gary Gygax Estate

A notícia já é meio velha, mas é sempre bom divulgar: o produtor de cinema Tom DeSanto assinou um acordo com os representantes do patrimônio de Gary Gygax para administrar o catálogo de material publicado e não-publicado do cocriador do D&D.

O anúncio deste contrato foi feito no dia 27 de Julho, data do aniversário de Gygax, e confirmado por Gail Gygax, viúva do autor e detentora dos direitos sobre seu patrimônio.

DeSanto foi produtor dos dois primeiros filmes da franquia X-Men, e de todos os filmes da franquia Transformers. De acordo com as notícias, ele haveria dito que já havia encontrado diversos potenciais projetos de "universos" entre o material não-publicado de Gygax, e que espera encontrar um "lar" para ao menos um destes projetos até o final do ano.

A parte boa é que DeSanto diz jogar RPG desde os 11 anos de idade, e participa do livro “30 Years of Adventure: A Celebration of Dungeons & Dragons”, no qual várias pessoas famosas comentam sobre sua experiência com o D&D. Talvez ele realmente seja capaz de capturar algo do espírito do trabalho de Gygax. Segundo a revista Variety, ele teria afirmado que (tradução minha):

Gary Gygax é um daqueles nomes que figura ao lado de George Lucas e Gene Roddenberry como contadores de histórias cuja influência alcançou o mundo inteiro e atravessou gerações, eu estou excitado em trabalhar com Gail e sinto-me honrado em trazer esses novos universos para uma audiência global da mesma maneira em que Gary capturou corações e mentes de todo o planeta com o ‘Dungeons & Dragons.'

Quanto a isso eu só posso concordar: Gygax está lado-a-lado com os maiores expoentes da cultura pop.

A parte ruim da história é que, apesar de num primeiro momento muita gente ter se entusiasmado com a possibilidade de vermos publicado algo do material original de Gygax que nunca viu a luz do dia, ao que parece os interesses de DeSanto são mesmo apenas com o cinema e a televisão. É muito difícil que vejamos algo novo e original de Gygax publicado no formato de RPG.

Resta ainda a dúvida de se e como a entrada de Tom DeSanto nessa história afetará o próximo filme do D&D, o qual teoricamente estaria sendo trabalhado desde 2015 pela Warner Brothers em conjunto com a Hasbro.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...